um encontro com o sexo

a noite ela é sorrateira ela te da ganas de sair de casa mesmo que nao tenha nenhum lugar pra ir mesmo que voce esteja em um pequeno vilarejo a trabalho ou como era meu caso para investiga a morte da minha dignidade

um bar escuro com musica de filme porno aparece no meu caminho eu entro e pego a primera cerveja bebo olhando para os lados e peço a segunda nao sera o suficiente avanço para o whisky sem gelo nao chamo de cowboy prefiro apenas beber como eu mesmo um fracassado abandonado um lobo solitario eu uivo por dentro e meu instinto me manda ir na rua fuma um cigarro para um bar fetido ele respeita demais as leis na rua pego meu derby mas nao tenho fogo admito que é uma tatica antiga velha ultrapasada mas continua funcionando pedi o esquero para a menina de touca sim ela usava touca mesmo sem faze frio eu so pedi o fogo mas ela começo a conta toda sua vida me disse que a namorada dela tava em casa e que elas brigaram e que saiu porque nao podia fica em casa mas amava ela e nao queria perde ela eu disse pra ela fica calma e nao consegui falar muito mais que isso sou pesimo em conselhos mas sou muito bom de cama eu peguei na cintura dela e disse muito bom eu senti que ela se arrepio e ela jogo fumaça do cigarro na minha cara lagrimejei ela se afasto voltei pra dentro do bar e tocava uma música ainda mais sexual eu bebi mais sozinho eu olhava para todas pessoas e sabia que aquilo tudo nao ia dar em nada finalmente fui embora

nas ruas so sobrava a sobra bebendo qualquer coisa e fingindo uma felicidade que nao podia ser real que eu tambem queria pra mim vi uma pequena aglomeraçao um tumulto na porta de uma boate essa parecia ainda pior que o outro bar portanto irresistivel eu tava sozinho mesmo foda se nao tem como piora no meu primero passo la dentro descubri que nao passo de uma criança ingenua aquele ambiente era terrivel em todas suas entranhas nas paredes cartazes de cerveja schin whisky dreher e cigarro bill meu derby era um artigo de luxo no palco porque sim havia uma banda e ate dançarinas a musica e a performance exalavam sexo contaminando a todos inclusive eu que de desesperado passei pra tarado em poucos segundos uma morena mais feia que o diabo me encarou com ferocidade e me arrasto pra dentro do banhero onde aproveito minha paudurocencia em esplendor na hora de tira a roupa eu tive medo de dexa a camiseta no chao entao coloquei na cabeça como se estivesse atravesando o deserto nossa tranza foi furiosa e ambos ficamos muito suados pedi pra toma agua e sai do banhero a banda continuava infectando mais e mais pessoas e agora uma loira de cabelo oxigenado e dentes tortos passava a lingua pelos labios aquilo nao me exitava ate que ela chego bem pertinho e disse dexa eu te chupa eu falei que tudo bem e ela abriu minha calça ali mesmo e praticou o ato libidinoso nesse momento percebi que a camiseta continuava na cabeça e senti um pouco de vergonha

estava ainda ali sendo devidamente usado pela loira quando uma baixinha essa sim de uma beleza estonteante passou e com ousadia aperto minha bunda e disse eu quero da pra ti moreno recolhi meu instrumento da boca da menina e agarrei a baixinha junto a meu colo escorei ela na parede e dei vazao pra minha taradice que novamente estava grande pela janela entravam os primeiros raios de sol mas nem que fossem os ultimos agente iria parar nao sei quanto tempo se passou quando percebi a banda ja tinha ido embora e todas as pessoas da festa tambem a excecao de mim e da baixinha que tranzavamos com ardor naquele salao mofado nosso sexo tinha ares de infinito eu olhei ela nos olhos e disse eu queria ter um filho teu ela levanto um pouco o rosto e disse que agente tem dois filhos que eu era louco e tinha abandonado a familia nao pode se verdade respondi é sim carlos joao mas esse nem é meu nome apartir de agora é e voce vai assumir as crianças eu fiquei nervoso e tranzei com mais força eu agora tava bem confuso e queria ate ir embora a baixinha disse que tava na hora de busca os filhos na escola eu disse que eles nao eram meus ela começou a chorar me afastei coloquei a calça tirei a camisa da cabeça e vesti ela e fui embora

as ruas agora estavam cheias de gente e essa gente me olhava com horror eu nao entendia porque ate que olhei pras minhas maos e vi que estavam cheias de sangue a sirene anunciava a chegada da policia e da ambulancia que foram direto pra porta da festa o que eu fiz

o aniversario

nao é facil fazer aniversario no mesmo dia que o menino jesus mas um a situaçao de quem nasceu um dia antes ou depois tambem nao é muito melhor

desde pequeno ha todas aquelas questoes como ferias sumiço de amigos pessoas viajando pessoas na praia pessoas no interior pessoas em qualquer lugar que nao seja sua festa e solidao

minha vida seguia assim precisando adianta a comemoraçao pra consegui reuni alguns poucos infelizes afinal era melhor do que nada so que em um ano foi tudo ao contrario

todas pessoas que convidei vieram e as que nao convidei tambem e um maior numero ainda de desconhecidos chegaram e estavam todos reunidos no mesmo ideal de fica inteiramente louco e o mais surpreendente é que nao houve sequer um que deu as caras sem trazer presente pois sabiam eles que quem faz aniversario nessa epoca esta fadado a so ganha um presente

era tudo pura alegria no apartamento ate que de repente fugiu completamente do controle e o interfone tocava mais do que deveria e multas eram somadas em velocidade recorde copos quebrados todas bebidas da casa que nao eram poucas secas e finalmente muita vulgaridade

o barulho era ensurdecedor e logo as vizinhas mais gostosas vieram reclamar contudo era um pretexto para participa da algazarra elas foram as primeiras a tira a roupa

inexplicavelmente todas as velhas do predio deram lugar a ninfetas que batiam na porta pedindo silencio e 10 segundos depois estavam gritando peladas

ainda com menos sentido ocorreu uma debandada de homens e so havia mais eu do sexo masculino e centenas de garotas sedentas por prazer

as janelas abertas ate porque nao tem como fecharem na falta de cortinas expunham aquela safadeza aos olhos de toda vizinhança e cenas de horror para os menos acostumados em tamanha libertinagem e na cama no sofa na pia da cozinha no chuveiro no chao na rede na parede do corredor na mesa da sala no armario do quarto e ate atras do fogao o que aconteceu era a mais pura orgia

tres dias e tres noites se passaram dentro daquele antro de sacanagem que chamo de minha casa enquanto mulheres de todas etnias chegavam em caravanas

loiras indias ruivas morenas japas modelos dançarinas do faustao cientistas da nasa e ate bandeirinhas gostosas faziam fila pra me presentear com alguma parte intima do seu corpo e diziam ‘me possua’

obedeci a ordem de cada uma delas e agradeci ao ceus por finalmente me diverti um pouco no meu aniversario ja me certificando de corrigir alguns pequenos problemas no proximo como a falta de escova de dentes para tanta gente