silencio

apenas um pouco do silencio

nao me pede nao me pergunta e se possivel nem me olha

o ceu ta azul como sempre esteve e o tempo nao esta chorando e so nao morre quem ja morreu

respeita o cara
respeita a dor
para de fala asneira

a conspiraçao é essa ai ou voce acha que nao existe alguma coisa por tras e que a gente ta aqui de passagem ou que a gente morre e nunca mais tem nada e tem um universo inteiro e ninguem pra dizer teu nome de noite

tira seu cavalete da chuva desliga esse microfone troca o pedido pelo perdao troca tua foto mostra teu luto e nao faz nada pede a bençao e chora pede o que ja pediu e esquece de agradece

eu to aqui ainda apesar de tudo e com o pesar de tudo me sinto vivo me sinto grande me sinto unico no meio desse monte de gente igual a mim

acho que to com medo medo do silencio

silencio minguado

uma bela noite aquela em que as estrelas e a lua emanavam luz tao intensa que nem era preciso lampadas a rua estava iluminada pela natureza

caminhava pelo asfalto com a segurança de que nada aconteceria afinal de contas a paisagem era delirante tudo parecia um grande brinquedo manipulavel conforme a vontade do sonhador

porem a mais singela paz foi oprimida por uma indecente tempestade carregada de nuvens truculentas

nenhuma pessoa no caminho apenas ele sozinho perdido
antes saltitava e fazia a melodia de belas cançoes que acabava de inventa agora simplesmente nao sabia por onde segui

o terror tomara conta do ceu a escuridao nao permitia nenhum lampejo de alegria o ar carregava o sabor do medo

como em uma babilonia de idiomas surgiu inesperadamente um grupo a passos rapidos

jovens como ele vestindo roupas semelhantes porem falavam um idioma incomunicavel nunca ouvido antes

eram solicitos e educados contudo indecifraveis

a essa altura nao tinha escolha resolveu partir com o grupo

caminhando por vielas depois grandes campos e estradas infinitas a jornada nunca mais termino e nenhuma palavra jamais foi compreendida novamente