gran finale

nao sao muitas as regalia na vida do proletario mas aquele momento do almoço ele deve ser valorizado

sei que pago poco e que nao da pra pedi demais mas nesse buffe livre de apenas uma carne num ambiente que nao é grandes coisa com quatro prato quente aquele tomate mal cortado o bife de tercera e no fim de tudo um raio de esperança aquele objeto gorduroso que traduz em forma o colesterol alto

o belo pastel frito na banha sem indicaçao do conteudo que ha dentro dele tem toda a cara de ser de carne tomara deus que seja de quejo mas parece carne pelo menos podia te ovo mas bom mesmo seria de quejo

sento na mesa ansioso mordo é carne

tudo bem nao tem ovo tambem ta bom ok ate que ta bom alias muito bom

repito o procedimento me sirvo mais e pego mais pastel carne nao é mais permitida como tudo é hora da sobremesa

no caminho vem mais pastel as moça despeja eles ali flamejantes ja estava prestes a pega torta de bolacha mas pastel é peguei na mao mesmo muito quente queimei os dedo comi o pastel

nao era de quejo mas tava muito bom

degustando o sabor da derrota

a vida de um jovem que depende de seus proprios dotes culinarios muitas vezes se resume a pizza hamburguer carne gorda bacon lasanha e outras especiarias gastronomicas responsaveis por elevados niveis de colestorol

porem em um domingo nublado repleto de vento e melancolia descobri que nada sou alem de um junior aprendiz um estagiario mirim na arte da alimentacao pesada

estava na beira de um lago as pessoas tomavam espumante em copos de plastico e felizes comemorando o aniversario de alguem ate que apareceu aquele gordo de boina

um personagem vindo diretamente das caricaturas mais diabolicas um homem de trejeitos violentos e pensamento estupefato trazendo uma tempestade de medo entre as pessoas apesar de sua aparente simpatia se tratava de um monstro

cozinhero de um restaurante anonimo nos confins de uma rua solitaria o gordo experimentava receitas capazes de causa derame cerebral e entupi veias ate de um touro pois nao basta assar um porco gordo e come seu corpo intero aquele rapaz inclusive saboreava a cabeça do animal

enquanto uma moça dizia que gosta da pele da galinha o abominavel perdeu completamente a noçao e começo a fala sobre a delicia de come uma buchecha suina o sabor inigualavel de uma orelha mas tudo piorava porque mais gostoso que a cabeça recem saida do forno era come ela no outro dia gelada degustando como se fosse um chicle pois a pele é grossa e exige muitas mordidas

enquanto o horror tomava conta dos presentes o gordo se lambia esbaldado na propria lembrança do almoço transpirando obesidade cego pelo sabor e foi nesse momento que ele cometeu o ato mais doente e insalubre jamais presenciado no auge da incredulidade humana ele retiro o fucinho suino do bolso e mastigou ali mesmo depois engoliu e gemeu de prazer

foi o basta me senti humilhado e me obriguei a ir embora com a certeza que de vi a morte de perto