Poetas de Marte

Passarinhos em grandes ninhos ocupam as árvores altas
Cantam
Um louco no celular caminha atordoado
Do outro lado, vem um marginal
Um skatista de braços tatuados atravessa a rua
Um homem enorme e obeso, seminu, esconde a cara embaixo de um boné

Uma estagiária se apressa para uma entrevista em outro emprego
Uma loira de meia idade, de terninho nesse calor

Um pipoqueiro empurra seu carrinho

Duas moças conversam
Seguem a passos curtos e rápidos
Uma delas é a louca que discute com o louco
Ela não está no celular
Se cruzam e não percebem
Ele segue discutindo
Escreve: tu é uma puta

Na passarela, entre os prédios do Ministério Público, um homem de gravata observa o rio

Uma tarrafa é arremessada no arroio
Os peixes insistem em nadar na água podre
Hoje vai ter sushi

Debaixo da ponte, um cachorro corre atrás de um rato
Seu dono observa e torce
Pega
Pega

Uma carro conversível, não sei o modelo, passa por cima

Nem parece que é inverno

foto: Leonel Albuquerque

acostumado

quando olhei pra fora da janela parecia uma tv em hd depois de passa um belo pano um limpa vidro nem de longe lembrava a espelunca que eu tava metido

é o tipo de coisa que eu deixo deixo e vo deixando pra sempre e se acostuma nao se da conta aquilo atrapalha mas ja faz parte entao deixa assim mesmo e por acaso ta percebendo alguma coisa acho que nao ta bom assim me tira daqui odeio tudo nao tenho força pra me levanta eu preciso corre

alguns pensamentos dubios outros que lembram a bipolaridade e muita coisa desconexa passa pela cabeça a ultima lembrança positiva parecia recente mas eu nao consigo lembra qual é deixa eu me iludi um pouco e nao questiona como me irritam pessoas que insistem em faze perguntas

eu ouvi uma pessoa dize que o sucesso nao esta muito longe o problema é que te fazem acredita que o seu tempo nao é seu te fazem esquece que sua vida é sua querem so mais uma gota do seu sangue so mais uma

ate que um dia cansado de apanha voce vira o jogo ou vira um cachorro grande ou simplesmente da comida envenenada pra quem nao para de lati no teu ouvido um instante de paz um misero vale mais do que os ultimos anos todos

talvez o melhor seja me tornar um monge mas é muito cliche quem sabe organiza um grupo de exterminio aos grupos de exterminio pra coloca um pouco de emocao nao sei se quero o silencio ou o barulho entao eu fico quieto pensando em grita

lembrei da tua voz
essa é uma lembrança boa