Tratado sobre o final da infância

Sobe em um balanço um garoto trajando calça de moletom. Não é qualquer calça de moletom, ela é cinza, já um tanto surrada e, o principal, tem uma joelheira de couro (ou sintético, mais provável) em cada perna.

Ah, a joelheira. Os carrinhos na quadra de futebol, no corredor, no polícia e ladrão e no pega-pega. Uma calça sem joelheira era uma calça rasgada, furada, queimada. Uma calça com joelheira é a coisa mais feia do mundo e também um item de segurança obrigatório nos EPIs da infância.

Fazia tempo que eu não via uma dessas. Tanto tempo que nem me lembrava mais que elas existiam. Assim como minha infância.

Não que eu esteja velho, amadurecido, gordo, acabado, meio careca, sentindo cansaço depois de qualquer caminhada e desfalecendo após uma breve corridinha. Nada disso. Eu apenas não recordava esses tempos de brincar sem preocupação e com joelheira.
Uma nostalgia barata bateu quando vi o garoto, que não faço ideia de quem seja. Não me vi nele, apenas lembrei que já fui assim. Esguio (muito magro) e até desengonçado, era difícil me parar, ainda mais quando deslizava apoiado nos joelhos. Como as joelheiras trabalharam depois daquele gol na Copa de 98 em que o cara da Dinamarca saiu fazendo pose. No outro dia todo mundo imitou. Volta e meia eu usava uma calça sem joelheira e não me dava conta, o resultado era um joelho ralado e uma calça estragada. Tinha que costurar (ou colocar joelheira).

Os tênis que piscam continuam na moda, mas esses são uma coisa infantil. Paramos de usar cedo, é só para criança. A calça com joelheira, por outro lado, era parte do uniforme – e pelo visto continua sendo. As mães gostam, pois duram bastante. Os pais, não sei se tem opinião – na minha época o meu não tinha, eu acho. Se bem que hoje em dia deve ser diferente. Meu filho ou minha filha vai usar calça com joelheira e eu vou ensinar a deslizar.

Tento, mas não consigo lembrar qual foi minha última calça dessas. Quando usei pela última vez. Será que a joelheira ficou toda gasta e teve que ir pro lixo ou eu, no auge da maturidade, disse que não queria mais? Qualquer coisa que eu digo vai ser pura invenção. Então escolho o final que mais me agrada: era final da interséries. Fazia frio, como era de se esperar no auge inverno. Clássico, nossa turma contra a 141, o jogo empatado em 1×1, se encaminhando para o fim. O juiz marcou falta para eles, um lance perigoso, e o Betinho se preparou para dar um bico. Nosso goleiro medroso fugiu da bola, que por sorte bateu na trave. O chute foi tão forte que a bola espirrou para frente. O André correu e conseguiu pegá-la antes que saísse pela lateral. Eu disparei para o ataque e fiquei pedindo bola. O André avançou, ultrapassou o meio da quadra e, já perto da área, cruzou. Muito forte, muito comprido, não tinha como alcançá-la. Era o último lance e acabaria empatado. A bola ia direto para fora e nada poderia detê-la, não fosse o meu carrinho. Me atirei e por breves segundos o mundo parou. Eu, a joelheira e a bola, que acertei com a pontinha do pé esquerdo, vivenciamos uma parábola que ainda ecoa naquele ginásio. Gol. A bola foi direto para o fundo da rede. Eu fiquei ainda um tempo deitado e quando levantei reparei que a joelheira estava rasgada. Os moleques corriam pela quadra para comemorar. É campeão, é campeão. Ganhamos. Feito. É campeão. Aquela joelheira hoje está emoldurada em uma parede do ginásio.

foto Hudson Pontes

Descoberta do Sol

Sempre que chovia muito Diba saía para caminhar, quando chovia pouco também.

Sentia a natureza, sentia-se parte. Pulava nas poças, puxava os galhos e mergulhava na grama.

Guarda-chuva não era com ela, tão sem graça. Se recusava a usar, até que no seu aniversário de 9 anos um menino que ela gostava tanto deu-lhe um lindo, amarelo, reluzente feito o Sol.

Diba deu uma chance e viu que também gostava de caminhar na chuva usando seu novo presente.

Em um desses dias, saiu a caminhar na companhia do Pingo. Tudo ia bem até virarem na esquina, momento em que subitamente parou de chover. Perderam-se. Pingo, serelepe, nunca havia ido tão longe com suas próprias pernas e, mesmo cansado, só queria andar mais. Diba nada reconhecia e, sem saber, se levava para o longe.

Nem se deram por conta quando se encurralaram em um beco, cercados por um grupo de cachorros.

“O que que as gracinhas fazem aqui nas minhas bandas?”, perguntou o chefe, um
imponente pastor alemão. “A gente só quer voltar pra casa”, respondeu Diba. Um grande fila, que parecia o resultado de um cruzamento com uma hiena, se intrometeu no caso, “Pode deixar que eu tomo conta deles”.

Pingo, valente, latiu, avançou e se postou em frente à Diba. “Ninguém mexe com ela”, disse o vira-lata. Um enorme doberman, com suas orelhas apontadas, se aproximava. Um rottweiler fechava o cerco. De cima de uma lixeira, um gato observava a cena calado.

Em um impulso, Diba pensou, “O guarda-chuva!”, agarrou Pingo no colo e abriu seu pedaço de sol. Em um novo impulso, alçou voo. Primeiro, só olhou para cima, para as nuvens e para o céu. Então viu que os cachorros, as casas e as ruas iam ficando pequenininhos. Já estava lá em cima, bem alto, quando avistou a casa, a padaria, e apontou elas com o dedo. Abriu um sorriso.

Embalados pelo vento, surfaram as ondas do céu. Era como uma boa chuva ensolarada, só que sem se molhar.

Não tardou para aterrissarem. A família inteira esperava para dar um abraço.

Nesse dia, ao pisar na grama com os pés descalços, Diba descobriu que também gostava dos dias de sol.

imagem: Westend61/Getty Images

FALAS DE MIM SEM EU

o olhar passa entre desolado, triste e indiferente, um olho grande que dá vontade de tocar

agora já passou há tempo e não posso fazer nada além de recordar e transfigurar sensações

deixe-me começar de uma vez

não me vi, era como se não estivesse ali, em meio ao rio barrento onde bois faziam as vezes do peixe-boi, pulavam dentro da água e atravessavam até a outra margem

eu fiquei no meio, acompanhando aqueles grandes bichos pra lá e pra cá, pra lá e pra lá, seus corpos eram mais do que estranhos, o chifre que saía de suas cabeças parecia mole, eles inteiros eram molengas

a água barrenta não tinha temperatura, o chão não tinha textura, os bois não faziam barulho

no instante seguinte eu já estava na minha cozinha, assim mesmo, sem explicação e sem contestação

novamente não eu mas minha presença

sentado na minúscula mesa o meu falecido pai, meu querido pai, saudades, queria um último abraço, um último grito de gol, um último momento feliz, até mesmo um tchau, o que temos no entanto é meu falecido pai querendo tomar café da manhã logo na minha casa, se tiver água na geladeira o senhor deve se alegrar, penso enquanto digito

acaba que não come, quer café e vejo uma pequena cafeteira, pequena e estranha, meu pai porém pega o pequeno pote de café iguaçu, uma colheirinha e sai a comê-lo puro, uma, duas, três colheradas e não é só café, vejo diretamente dentro do pote as larvas, os bichos podres, ele come tudo

não nos falamos, a bem da verdade nem sei se ele me viu

ele está igualzinho, usa óculos, uma camisa polo, o cabelo grisalho que ainda não é branco, não emagreceu nada desde que morreu

vou até a área de serviços, onde tenho algumas plantas, e encontro um vaso novo, baixinho e largo, a terra está estranha, não parece terra, parece um bolo, acho que é um bolo, não sinto cheiro, o que não chega a ser um privilégio do momento, é bolo ou terra, se for bolo podemos comer, se for terra talvez o pai coma igual, olho pra cozinha e não tem mais pai

vou colocar a mão na terra ou bolo para descobrir, vou esmagar com os dedos, vou sentir, vou, vou

hesito

onde estão os bois, onde está o pai

hesito

tem sol lá fora

hesito

hesito e não chego a descobrir

anoto para ver se acontece novamente, lembro e tento dar algum sentido, recorro a um texto e nada

da próxima vez tentarei me olhar no espelho

ANTES DAS CINZAS

Não foi assim pra chegar aqui.

Não me julgue mal (além da conta). Nunca pratiquei ato heróico (não o que você tem em mente como heróico).

Enfim, cheguei aqui.

Escuto os ruídos.
Vêm dos últimos a se manterem em pé.

Eu estou deitado na minha cama. Antes, caminhei por algumas quadras para ir até um café. Fila de espera. Fila de espera em uma cidade vazia e cheia de gente desesperada. Não estou desesperado. Não espero.

Um homem e uma mulher são capazes de dirigir um automóvel.
São capazes de escapar do pior horário e tranquilamente chegar antes para um merecido descanso.

Não sei se tivemos uma noite ontem. Fechamos as janelas, as cortinas e os vidros. Fizemos o que estava ao nosso alcance para não estar aqui.

Rumores.
Um velho morreu na quadra de basquete. Fazia sol, calor e ele capotou. Não tinha documentos, o conheciam por Pitanga.
Um minuto de silêncio pelo Pitanga.

Ainda vou chegar.
A estrada engarrafada. Devia ser proibido carro sem ar-condicionado, eu vou morrer aqui dentro, ela vai morrer comigo.

O rádio fala do carnaval. O desfile de carnaval. Os acidentes do carnaval. Os crimes e as mortes. Lembro da vizinha, contou que a filha foi assaltada.

Se eu fechar os olhos por alguns segundos e acelerar o carro e pisar o mais fundo possível e não tirar o pé por nada quem sabe a gente chega logo.

Não me parece prudente e eu não sou imprudente. Apesar de louco e capaz de entrar em pânico por causa de um louva-deus, palpitar o coração e senti-lo gritar (o coração grita), sou alguém bem pacato e normal.

Ontem mesmo assistimos a dois filmes e dormimos.

Uma comédia e um drama. Um ganhou o Oscar e o outro não chegamos a assistir – na verdade nunca existiu, desde o começo era apenas um filme e um dos bons, não sei por que tive de inventá-lo. Sim, fizemos mais coisas durante nossa noite mas não convém contar-lhe.

Cedo ela levantou e preparou o café da manhã. Eu não levantei para comer. Por fim, guardou as coisas na geladeira e o sanduíche dormiu. Eu venceria a competição da inutilidade e do sono. Não compita comigo. Não faça como o velho Pitanga. Eu estava na quadra. O Pronto Socorro é tão perto e não pude fazer nada. Tentamos. O mais magrelo disparou para pedir ajuda, nós gritamos socorro socorro e sapateamos ao redor do corpo (a essa altura já era um corpo). Demoraram um bocado para chegar. Acho que em todo arremesso vou me lembrar dele.

Quanto a estrada, que bela hora para sair. Bem aventurada seja a ideia de ter escapulido no meio da tarde. Bem aventurado o carnaval para os que dormem. Já não tenho pernas, vontade ou prazer em aproveitá-lo de outra forma. E mesmo assim estou aqui, como os que tentam a sorte nas horas finais, bêbado em minhas próprias ideias que não saem do lugar. Outra vez engarrafado.

Não quero que guardem as minhas cinzas e nem tenho um lugar especial para que elas sejam jogadas. Cemitério não. Não. Nesse ponto sou igual ao carnaval: não me enterram e ponto final.

Penso como deve ser pular o carnaval no céu. Que ideia boba.

Será que todos os dias são carnaval? Tomara que não. Não falo por mim, é que aí acabaria a graça.

Também é possível que não haja festa alguma. Nesse caso ou no outro seria o fim dos foliões.

Folião. Foliona. É gostoso de dizer. Não cessem. Continuem. Relutei em dizer isso mas é melhor assim, e o azar é meu. No fundo nem me importo, não passa de uma dramatização. É claro que eu preferia o silêncio mas a rua não é minha, eu que me meti aqui.

Esquece esse cara. É o último sopro antes das cinzas.

a verdadeira sabatina de alexandre de moraes

o homem chegou a lua e de la viu a careca do novo ministro do stf uma jogada dos aspones que faz lembrar o pixo enquanto voce grita gol ele te exploram mas o que pouca gente sabe é que depois da sabatina ensaiada o nobre alexandre de moraes passou por uma sabatina de verdade no meu gabinete

magno
alexandre

alexandre
boa tarde
magno
nao almocei ainda
alexandre
entao toma aqui um bolinho
magno
o senhor ta laricado
alexandre
o que
magno
fumaste maconha
alexandre
basta
magno
o senhor vai me responder agora
alexandre
inseto
magno
fala serio fumaste ou nao fumaste
alexandre
nao fumei
magno
e como explica a queda de cabelo
alexandre
é natural maeu pai era calvo
magno
me perdoe que nao tenho iate nem mansao mas comida tenho e o bolo da minha mae é melhor do que esse seu sem gosto
alexandre
quero provar entao o da sua mae
magno
aceita um cafe
alexandre
por favor
magno
açucar ou adocente
alexandre
nenhum purinho
magno
nao nao isso aqui é conversa seria quero saber sua opiniao sobre o muro de berlim
alexandre
apoiei veementemente sua queda acho que foi o melhor para o mundo
magno
voce se considera apto para defender de forma neutra os interesses do brasil
alexandre
absolutamente
magno
fico mais tranquilo vamos pra proxima arroz com ovo prefere o ovo mole ou durinho
alexandre
mole sem duvidas pra espalhar por todo o arroz
magno
o que voce tem a dizer sobre as denuncias de ter plagiado outros autores
alexandre
com as pedras que me atiram eu construo meu castelo
magno
e apesar de ser filiado a um partido voce é isento
alexandre
mesmo nao concordando com o que voce fala eu defenderei seu direito de se expressar ate a morte
magno
to perguntando de voce
alexandre
ja falei que meu unico objetivo é a soberania nacional
magno
em caso de precisar comprar drogas quem o senhor me indica
alexandre
tenho otimos amigos para para com isso para de pegadinha
magno
o senhor deixaria o bigode crescer se eu prometesse que viraria presidente da republica
alexandre
nao tenho essa intençao
magno
entao um rei
alexandre
agradeço
magno
um deus o dono do brasil e do continente americano
alexandre
eu poderia erradicar a maconha
magno
nao
alexandre
entao nao
magno
voce prefere carne mal passada ou bem passada
alexandre
essa é uma questao muito polemica prefiro passar
magno
no final de semana voce coloca o despertador ou acorda sozinho
alexandre
normalmente eu acordo sozinho em torno das seis da manha gosto de levantar cedo
magno
que horas da a primeira cagada
alexandre
assim que levanto
magno
le o jornal
alexandre
sentado no vaso
magno
voce é a favor da poda de arvores
alexandre
depende a arvore
magno
se voce tivesse cinco palavras para mandar ao povo brasileiro quais seriam elas
alexandre
parabens sou o novo ministro

TRATADO SOBRE A REGENERAÇÃO DA RAÇA HUMANA

Não haveria guerras
Massacres
Ímpetos de conquistar o mundo e deixar os pobres morrerem de fome

As brigas com a família acabariam
As discussões inúteis
Os medos baratos
E as angústias tolas

O mau como se conhece parte de dentro do homem
E ele não mais existiria

Nem a raiva
O ódio
O descontrole emocional
O desespero infantil
Só porque tudo dá errado

Só porque nem tudo aconteceu
Como fantasiado
Sua estúpida e egoísta fantasia

Não haveria egoísmo
Prepotência
Orgulho
E patriotismo

Tampouco discursos tontos e inflamados
Seguidores de assassinos e salvadores dos bons costumes
Homem de bem e de mau
Mulheres que prestam ou não

Não teria espaço para o juízo de valores
Para os valores valerem mais
Do que o que vale de verdade

E quem sabe
As coisas dariam certo
E se não dessem
Não haveria problema

Se ao menos soubessem
Que só precisam
Boiar
Atrás da arrebentação

Fechar os olhos
E ouvir o som do mar
Respirar profunda e lentamente
Deixar-se levar

Deixar um sorriso nascer
E a mente límpida
Somente amar

ARAPUCA

o limão é cortado e pilado, vai o açúcar, a cachaça e quatro pedras de gelo, a colheirinha mistura tudo, ele experimenta a caipira e alcança para os outros fazerem o mesmo e dizerem que tá bom, uma delícia, toma o copo de volta quando já beberam quase tudo e mata num golão

o tira gosto tá na mesa, os outros estão distraídos, pode ir em paz até a cozinha e completar o copo com cachaça, puxa o açúcar lá do fundinho e dá uma bicada, hmmm, tá melhor

é um dia especial, família reunida em um domingo de sol para descobrir que vem um nené, ainda segredo, apenas a mãe e o pai da criança e a mãe do pai da criança sabem e mantém sigilo

a barriga de sofia é, a olhos nus, uma barriga como todas as barrigas e ela não dá maiores sinais de se preocupar além da conta apesar de ser grávida de primeira viagem, sim, é verdade que recusou a caipirinha, nem provou, o que gerou desconfiança do seu ernesto, não a respeito de gravidez mas sobre o caráter da moça, quem é que recusa uma caipira em um dia como esse

o copo passa pelas mãos de todos e quando volta para seu dono é para não mais abandoná-lo, a terceira botada é cachaça pura, o limão vai pro lixo, o almoço quase pronto cheira bem, grande coisa, o filho aprendeu a assar, o apetite contudo não desperta, não, o que tem é sede

seus passos não são muito precisos, talvez a hora adequada de sentir dor no joelho e pegar a bengala, nunca mais foi o mesmo depois do acidente, maldito taxista

o churrasqueiro anuncia “tropa, pode sentar” e todos se aprontam rapidamente, é uma da tarde passada, querem comer, querem cerveja e querem dar uma cesteada, não sabem a boa ventura que lhes espera, não fazem ideia de que irão experimentar a euforia

faz tempo que não vê os irmãos, não lembra a última vez que os recebeu na sua casa, o próprio filho não os visita com frequência e todo esse excesso de cordialidade o incomoda, que dia para essa papagaiada em família, mais parece que a qualquer instante vão anunciar que ele tem uma doença fatal e que vieram se despedir, olha aqueles homens altos, desajeitados e solteirões, uma linhagem torta, pronta para acabar

sente-se tonto e espera que alguém tenha coragem de lhe contar, que seja dado o primeiro adeus ao mais amargurado dos botelho, o ignorante, o fracassado, mas, mas, mas um pai e não precisa de outro argumento

antes de se juntar aos esfomeados volta uma última vez à cozinha, enche o copo pela metade e, com a desculpa de ter ido buscar guardanapos, traz alguns consigo

o filho bate a carne e lhe lembra sua juventude, seu tempo de montar no cavalo, das invernadas, dos namoros e das prostitutas, há anos que não as visita, há anos que não visita a mulher

maravilha de maminha, o sangue escorre e as facas lasqueiam pedaços graúdos, se esbaldam, todos menos a norinha, que por hora só come salada e espera o espeto de vazio que virá mais passado

lurdes conhece os olhos de bêbado do marido e lhe serve água, ele faz uma cara de desentendido e ela diz “toma”, se irrita com sua jogada de ombros mais do que com o estado alcoolizado

ele pensa que eu sou burra, que eu sou cega, será que nem hoje vai me respeitar

ernesto também fica irritado, não precisa de água, vai comer mais um pedaço de carne e voltar à cozinha e depois vai para seu quarto e que todos se explodam, fiquem à vontade que eu vou dormir, mas façam silêncio, parem de dar risada e tilintar os copos

são egoístas, ficarão ainda muito tempo atazanando sua vida, uma companhia que ele não quer e não sente falta, que ideia idiota do augusto, da próxima vez que quiser reunir esses bunda moles que faça na sua casa

não aguenta mais e levanta, o filho pergunta “pai” e ele diz que vai usar o banheiro, vai até a cozinha e enche o copo que lhe espera com caninha pura, ahhhh, bebe, lambe os beiços e escuta alguém se aproximando, puta que pario lurdes me deixa em paz, já tem tudo na ponta da língua mas ela não diz nada e se recusa a ouvir, pega sua mão, enche um copo d’água e diz pra ele vir

sabe esconder o seu ódio muito bem, dentro daquele rosto plácido há ódio e ganas de lhe mandar à merda, de renunciar seu direito de ser avô, de uma vez por todas deixá-lo

sabe que não é a hora de fazer isso, não pode anunciar o que vive com otacílio há mais de dois anos e o inútil do ernesto só bebe e não consegue desconfiar de nada

voltam à mesa e todos parecem terem terminado, é hora da sobremesa, antes que lurdes saia para buscar a torta e o sorvete augusto se levanta e começa a falar como lembra de churrascos como esse há vinte e poucos anos atrás na casa do vovô, fala da família que ele ama e da mãe, do pai, do tio dirceu e do tio ildo, do finado vô, da finada tia olga, dona lurdes não consegue mais segurar o choro, augusto fala também do falecido cachorro lisca e olha para sofia e fala da sofia, da primeira vez que se viram na biblioteca da faculdade e de quando ele teve coragem de convidá-la pra sair e ela disse que não podia mais tarde e ele perguntou e agora e eles mataram aula e depois disso quase namoraram, ele foi morar na austrália, não se falaram mais, nesse meio tempo seu amor perdeu os pais, nessa faz uma pausa e retoma dizendo que o que importa é eles se reencontraram e o destino guardou um presente, ele olha pra ela de novo, seu ernesto está impaciente, lurdes soluça

a gente
tá esperando
um bebê

os copos vão para o alto, se batem e são esvaziados, urros de alegria, abraços, seu ernesto não acredita, olha para a mulher e entende que ela já sabia, por que ele não sabia, dirceu e ildo se seguram pelas bochechas, augusto e sofia se beijam

ernesto se concentra um bocado para conseguir dizer “isso merece um brinde” e toma um chute nas canelas, “merece mesmo” e vai buscar a garrafa, todos concordam em tomar pinga, menos sofia, amor de sofia, milagre sofia

a alegria que tomou conta do ernesto alivia a raiva de lurdes, mas de adianta alegria agora e nada mais depois, um homem que não serve pra nada, um homem que não é um homem, seus irmãos ao menos não se acorrentaram em ninguém, o filho sim, como pode ter saído desse entulho, claro, saiu dela, mas tem também algum quê de ernesto quando ernesto não era isso, quem sabe o netinho mude as coisas, quem sabe eles voltem a sorrir e se tocar e ela não precise mais visitar otacílio, quem sabe algo parecido com amor volta a acontecer

a vida é uma arapuca

A FANTASTICA FABRICA DE JAULAS – a entrevista do ano com juiz sergio moro

o brasil entrou em colapso grandes nomes foram para cadeia derrubaram a presidenta todo mundo com o cu na mão e um novo herói estampa a cara da nação cbf com vocês a maior exclusiva do jornalismo brasileiro a entrevista do ano com o juiz sergio moro

magno
sergio moro

moro
oi magno que prazer

magno
hoje vamo abri o jogo

moro
é uma honra estar aqui

magno
chega de conversinha mole vamo ao que interessa como foi o natal

moro
o natal foi bom demais passei com a família com jesus no coração e muito amor

magno
voces rezaram antes de comer

moro
sim agradecemos por tudo amém 

magno
o que você ganhou de natal

moro
são coisas de foro íntimo não tem necessidade disso 

magno
quem você tirou no amigo secreto

moro
não posso contar 

magno
já passou pode sim

moro
tá bem tirei minha esposa que eu amo muito

magno
você trocou o bilhete com alguém

moro
não jamais

magno
você protagonizou um caso de corrupção 

moro
não foi bem assim eu tirei meu nome e não me dei conta depois troquei o papelzinho pra não cagar com tudo

magno
corrupção ativa 10 anos de prisão 

moro
era só um amigo secreto

magno
a consciência é sua

moro
estou tranquilo

magno
moro o brasil inteiro quer saber se esse coraçãozinho tá amando alguém 

moro
sim já falei minha esposa sou casado tenho família é uma mãe maravilhosa 

magno
moro e como sua mãe recebeu a noticia de que você queria ser juiz

moro
ela sempre me apoiou meus pais sempre me apoiaram

magno
voce se considera o juiz mais importante do brasil

moro
considero que eu faço o meu trabalho

magno
voce se considera mais importante que o heber

moro
nao entendi

magno
o heber roberto lopes

moro
o careca safado

magno
esse mesmo

moro
são funções diferentes

magno
o senhor fica chateado de nunca ter dado um cartão vermelho

moro
ja mandei prender

magno
falando nisso conta pra mim com exclusividade como nasceu a operação lava jato 

moro
eu tava lavando o carro e pensei vou prender o lula 

magno
tava lavando o carro onde

moro
num posto perto do trabalho

magno
e o pessoal é caprichoso

moro
muito caprichoso rapaziada trabalhadora

magno
e aí resolveu prende o lula

moro
não só o lula saímo prendendo geral

magno
tá prendendo todo mundo pra chegar até o lula

moro
eu queria prende o lula e a gente descobriu uns probleminha uma coisa foi levando a outra e chegamo no doleiro aí o castelo de cartas começou a desmoronar um entrega o outro cada vez os peixe mais graúdo bailando até que não sobra mais ninguém e o lula tá preso

magno
então se um dia prende o lula acabou a lava jato

moro
o que você acha 

magno
eu to perguntando

moro
proxima

magno
não é assim que funciona aqui rapaz

moro
a justiça brasileira sabe o que faz

magno
o que você acha desses casos de leniencia fica provado que a empresa embolsou bilhões pagou bilhões em propina aí ela paga uma multa bilionária e pode continuar tocando as obras públicas

moro
acho que isso é um estímulo a corrupção 

magno
e a justiça brasileira como é que fica nessa história

moro
é um caso isolado da nossa valorosa justiça acho que não tá certo mas ao mesmo tempo me parecem as empresas capazes de fazer essas grandes obras de infraestrutura é complicado

magno
serginho o nome das operação dentro da lava jato é você que escolhe 

moro
eu deixo a criatividade da rapaziada correr solta não mando em nada não 

magno
temos nomes como arquivo x resta um xepa aletheia que país é esse

moro
é a porra do brasil

magno
deixa eu fala po

moro
gosto muito desses nomes mas nao é tudo criação minha nao

magno
mas quem bate o martelo é você 

moro
magno não sou o dono de nada estou a serviço do país 

magno
as pesquisas mais recentes mostram você com em torno de 11% na intenção de voto pra presidente o que você acha isso 

moro
acho que é uma vergonha uma imoralidade todo mundo sabe que eu tenho muito mais voto

magno
você confirma então que será candidato a presidente

moro
não posso afirmar categoricamente que sim mas é evidente que eu serei o próximo presidente do brasil 

magno
é mesmo

moro
sim

magno
por qual partido você vai concorrer

moro
os partidos estão apodrecidos por dentro todo mundo tá vendo eu vou empunhar minha bandeira do brasil e conclamar que o povo brasileiro venha comigo

magno
acho que não pode 

moro
magno você é muito ingênuo 

magno
não fala assim comigo 

moro
garoto sirva-se de um copo de água você está alterado

magno
serginho para de palhaçada que eu vou te dar um murro na cara

moro
guardas

magno
não é você que manda aqui o paspalho 

moro
sai daqui

magno
vou te dar uma bem dada serginho

moro
para

magno
babaca

moro
calma

magno
e quem vai ser o seu vice 

moro
meu vice é alguém com uma trajetória limpa e exemplar um homem probo e um exemplo pra todos nós brasileiro o senhor doutor joaquim barbosa

magno
tá brincando 

moro
não brinco

magno
duvido o barbosa aceitar

moro
já tiramos até a foto da campanha 

magno
e qual será o slogan

moro
deixa a vida me levar

magno
isso não faz sentido

moro
garoto já falei que você é ingênuo

magno
serginho

moro
deixa a vida me levar

magno
o zeca não vai deixar

moro
está tudo tudo arquitetado iremos salvar o brasil 

magno
quem serão seus ministros

moro
os mais capazes pra cada posição 

magno
como você vai combater a crise

moro
prendendo todos os corruptos

magno
e para acabar com a miséria 

moro
jaula neles

magno
nossa educação básica é sofrível 

moro
fim da impunidade 

magno
falta verba pra saúde 

moro
menos roubalheira e mais investimento

magno
tem gente passando fome e sede

moro
não pode mais 

magno
e como você vai resolver

moro
chega dessas perguntas

magno
pela última vez não é você que manda aqui

moro
você sabe que sim

magno
olha bem praquela tela e pede desculpa 

moro
desculpa brasil eu errei

magno
moro você está eliminado

moro
não por favor

magno
vai ser feliz lá na rua brincar de polícia e ladrão

moro
pergunta mais por favor

sobre hoje e os nossos tempos

tem tanta coisa acontecendo ao mesmo tempo que dessa vez eu nao consegui fazer nada

nao que eu ja tenha feito algo relevante antes mas nao tive forças me recolhi no sofrimento e com ele calei vendo o resto passar desapercebido façam os memes por mim se for o caso eu nao to conseguindo achar graça

depois que o aviao caiu tudo ficou palido

a gente ainda ta aqui falando sobre aborto e nao sai do lugar parece obvio que permitir o aborto nao é ser a favor do aborto porem deve ser dificil de entender talvez tenhamos que que convidar os maiores pensadores da historia para explicar contudo nem assim será possivel

bem entao vamo se manifestar contra a corrupçao mas so alguns corruptos precisam cair chamem o menino kim pra dar uma liçao de moral no japones da federal falando nisso o gato comeu a tornozelera do japones e a lingua do eduardo cunha alias quem é eduardo cunha alias o hipster da federal comeu a lingua do eduardo cunha e daqui a pouco estara de tornozelera e todos vao se reunir em uma grande orgia

todos menos voce seu puritano

a odebrecht pediu desculpas vamos dar mais uma chance pra ela

e ve se esquece aquela parada de visto porque o trump ta la ele é lunatico possivelmente nao passa de um personagem e é um eminante desastre prestes a tomar forma ou um improvavel remedio com texturas novas em um mundo tao cheio de vazios vai saber trump pode ser um placebo ou uma tarja preta

esse é o mundo que nos cerca a sociedade se esgotou fecharam as portas para os refugiados os britanicos vazaram correndo de um tratado com a imbecil ideia de unir povos e economias o nosso amado povo colombiano refutou um aceno de paz e nos dissemos que absurdo

aqui e em todos os cantos vamos viver nos novos caminhos feitos por aqueles que negam o que sao para serem o que nao se sabe se quer ate essa onda quebrar na proxima crise

e para nao dizer que nao falei de letras mais um poeta morreu e alguem astutamente vai lembrar ‘e o sarney continua la’ parabens inclusive por que nao ocupas um espaço na academia brasileira

em suma nao ta facil

agora o surpreendente e acalentador é que no meio dessas tremendas bizarrices para usar o termo de algo que foge do comum sem fazer juizo de valor do quao terrivel é ver o discurso de odio triunfando nas ruas e nas urnas vem a constataçao de que essa raiva nao passa de uma pobre derrotada pois a verdadeira essencia da humanidade esta nas manifestaçoes de amor e solidariedade que nos fizeram ao mesmo tempo chorar e sorrir la no fundinho

eu quero acreditar

soy celeste

chegamos ao chile em uma quarta o dia que os catedráticos da matemática consideram como o meio da semana

as primeiras horas foram promissoras o hostel era consumido por um budum talvez necessário para adormecer nas camas empilhadas fizemos nossas reservas para o mesmo quarto mas acabou que cada um teve que ficar separado sem problemas organizamos brevemente nossas coisas e nos encontramos no pátio para tomar cerveja comer pizza e assistir ao jogo do brasil no telão que havia sido instalado precariamente

assim que sentamos o brasil tomou um gol enquanto continuávamos a apreciar a gastronomia que nos era acessível o neymar entrava em colapso e encerrava seu expediente na copa américa

cansados nos preparamos para nos recolher fui para o meu quarto e sentei na cama

uma menina entrou e disse para o rapaz da cama debaixo

– hoje eu quero dormir contigo vou fazer tu me comer

uma segunda garota de peitos fartos que parecia ligada nos 220 volts surgiu perguntando quem queria ir pra festa pela primeira vez me manifestei para uma pessoa estranha e disse to dentro a menina que havia intimado o rapaz homossexual a possuí-la ficou envergonhada

– meu deus não imaginei que tu falasse português

pois falo e também sei me arrumar rápido quando desci meus amigos já estavam prontos e disseram que tinha uma festa sim é para lá que vamos

a festa acontecia em um velho teatro enorme e a entrada era de graça para mulheres e estrangeiros em resumo era o paraíso jamais voy a me olvidar do ritmo frenético das músicas cho cho chofer pare el taxi bailando bailando que foram basicamente as duas canções que embalaram a viagem nesse primeiro dia e em todos os outros fizemos como vidal e batemos a ferrari

tínhamos alguns objetivos o principal era disseminar a torcida organizada febre amarela uma iniciativa que surgiu já em território chileno e que se mostrou um verdadeiro sucesso pois ainda hoje passado mais de um ano amigos que lá fizemos usam a fatídica expressão em hashtags no seu instagram o outro propósito era difundir a expressão rootera algo que insistimos inclusive com falantes da língua inglesa

– rootera… from the nature… from the roots

nesse ponto acredito que não tivemos tanto êxito

desbravamos praticamente nada de santiago nos limitando ao bella vista e seus arredores nos intercalando entre três hostels que eram todos próximos ao cerro san cristobal um belíssimo monte que só fomos subir faltando aproximadamente poucas horas para partirmos

também deu tempo de conhecer valparaíso mi valpo querida inesquecível o espaço de chão mais rootera da viagem morada de gente amalucada e com ódio solene a santiasco não obstante era ainda terra de um prato típico que trocando em miúdos não passa de uma batata frita mal frita (não aprenderam com minha vó) molhada com queijo mal derretido e outras tranqueiras por cima

nosso quarto em valpo tinha um triliche e uma cama de casal chuliamos para que uma hermosa sueca dividisse o espaço com a gente mas o destino nos reservou carlitos no final das contas essa cigana que manda nas nossas vidas fez algo copero

na primeira festa aquela da quarta-feira havia uma tonelada de colombianos fazendo algazarra frente a vitória sobre o brasil os chilenos por óbvio estavam ensandecidos os argentinos lotaram o estádio sausalito onde também comparecemos para hinchar por nuestros hermanos de jamaica muitos brasileiros por tudo naqueles free walk tour descobrimos uma pilha de neozelandeses europeus e mais galerinha cool aqui e acolá haviam paraguaios y tambien mexicanos como nosso amigo michael que nos acompanhava no fatídico incidente

bebíamos na rua e uma viatura encostou e desceram ali carabineros armados até os dentes

– no se puede beber en la calle
– llegamos hoy no sabiamos
– brasilenos
– soy mexicano
– documientos

momentos de tensão

– pero esto no es calle – perguntou meu amigo apontando para pessoas que bebiam sentadas em um bar com cadeiras na rua
– si pero tienem permission

a essa altura nossa argumentação era invencível diferente do tigres time do coração do michael apaixonado por #10 gicnac e que depois da libertadores passou a torcer para o river plate vai entender esses caras

era lindo ver a confraternização das nações mas algo nos chamava a atenção onde estavam os uruguaios

assistimos a chile e uruguai o jogo do dedazzo do cavani no estádio nacional de santiago no primeiro tempo ficamos em meio aos chilenos e aceitamos o porro que nos foi oferecido por novos amigos de cara indigena mas no intervalo não nos aguentamos e descemos até o nível onde se encontravam os uruguaios eles não paravam um minuto faziam tanto barulho que deixaram os chilenos brabos mesmo que classificados antes do final do jogo a área foi isolada e sim ficamos lá presos junto aos cisplatinos sendo alvos de copos e outras besteiras atiradas pelos donos da casa

tivemos que esperar até o estádio ficar vazio para olha só que mundo pequeno sermos escoltados pelos carabineros até o metro

continuamos fazendo festa continuamos indo em bares e continuamos sem encontrar uruguaios que apesar de numerosos no estádio não davam as caras em nenhum outro lugar

já era quase véspera da nossa partida já havia se passado outra quarta com uma festa nos mesmos moldes da primeira só que dessa vez em uma velha fábrica abandonada a coisa só ficava melhor e fomos empolgados para mais uma noite de descontrole que demorava para ficar boa e o nos era dito o mesmo argumento de sempre

es muy temprano

nem ao menos chichichi lelele viva chile foi preferido nesse ambiente fugaz e infelizmente provamos o sabor do fracasso mas contudo porém entretanto existe aquele ditado e estávamos decididos a vivenciá-lo em nossas próprias peles eu sou brasileiro e não desisto nunca

juntamos um grupo composto por cariocas gaúchos e mineiros e perguntamos ao promoter da festa falhada se havia algum lugar para irmos

hay un after

o homem nos entregou cartões de visita e disse que com isso não pagaríamos entrada faltaram alguns pois segundo ele chicas no pagan

e lá fomos nós caminhando pelas ruas desertas em uma noite gélida com pouca roupa e dessa vez nem era possível infringir a lei pois não havia coisa alguma aberta para nos vender nada em determinado momento as meninas disseram que iriam para a casa – uma delas morava por lá – e quebraram em uma avenida nunca mais as vimos

seguimos com a esperança de que algo acalentador nos esperava quando chegamos próximo ao endereço todavia chegou a dar um frio na barriga

a festa parecia clandestina uma grande porta preta toda de ferro se abria furtivamente e as duas ou três pessoas da fila entravam espiadas onde diabos fomos nos meter a caminhada pela rua pareceu mais longa do que todo o restante da epopeia pois vacilávamos em avançar provavelmente esse era o ponto mais longe de bella vista que havíamos chegado bueno mesmo que tremendamente desconfiados decidimos que foda-se

abriram a porta

o segurança do outro lado não emanava um vibe positiva se é que você me entende e ele e seus companheiros fizeram cara feia para nossas cortesias queriam dar um jeito de nos arrancar dinheiro tiramos coragem sabe se lá de onde e batemos o pé ninguém iria desembolsar nada mas prometemos gastar em bebida lá em cima

aceitaram a derrota e nos mandaram entrar de vez

um corredor escuro nos conduzia até uma escada e a pouca roupa que eu usava já me fazia passar calor fui obrigado a tirar a camisa xadrez finalmente iniciamos a subida e cada degrau parecia levar para mais perto do inferno a umidade se mesclava a um abafamento absurdo e a expecativa para o que nos esperava lá em cima era assombrosa

foi pelo cheiro que ficou claro estávamos nada mais nada menos do que em um puteiro trash de quinta categoria sim a viagem não havia nos privado nem mesmo dessa experiência e só quando alcançamos o último lance e abrimos a porta é que irromparam os gritos dos apaixonados que tomavam seus tragos e rodeavam as poucas infelizes garotas

soy celeste
soy celeste
celeste soy yo

a brilhante ideia de ir em uma festa

nao foi por acaso que entrei naquela casa vermelha cor de sangue minha vizinha de gritaria e sussurros hospedeira de pessoas que formam filas e bebem e fazem barulho pessoas em uma sintonia completamente desconectada da minha

nessa noite porém eu recebi um convite de uma amiga e pensei por que não

aceitei a tortura que é entrar em uma festa

fomos direto para a pista eletrônica o espaço era diminuto todas as paredes e o teto pretos e ainda por cima baixo minha cabeça quase dava nas lâmpadas e o som muito alto estourava minha mente

existia um ritual para fazer parte daquele grupo um ritual simples que consistia em colocar drogas debaixo da lingua eu esperava pacientemente a loucura tomar conta do meu cérebro enquanto observava que os outros já estavam em outra órbita meu estimulo era diferente do deles e vim a descobrir que não fazia sentido em um ambiente tão perturbador

contudo nada acontecia comigo no máximo uma dor de cabeça causada pela batida

não bateu

esqueci meu celular em casa disse pro segurança moro aqui do lado já volto ele me deixou sair e confiscou minha identidade eu subi para meu apartamento e tive duas ideias a primeira tomar o resto do alucinógeno torcendo para que alucinasse e a segunda que eu fiz primeiro foi fumar um baseado e no momento em que acendi e prensei senti o plim em um gesto irresponsável coloquei o que ainda restava do gato felix dentro da boca peguei também a ponta e levei comigo

meu primeiro ato de volta à festa foi entrar no banheiro do andar de cima para mijar um lugar todo amarelo e com riscos nas paredes assim que abri meu ziper e botei o pingolim pra fora começou um terremoto tentei me segurar e por pouco não caí foi uma longa mijada até eu sair do banheiro

respirei fundo e desci as escadas parei na pista pop onde tocavam coisas impossíveis de lembrar e adolescentes com pouca roupa se beijavam dançavam e ensaiavam o coito eu claramente não fazia parte daquele grupo e me desloquei para a pista eletrônica onde as coisas ficavam ainda piores de fato agora havia batido e batido muito eu não conseguia ficar confortável tentava me concentrar olhando para qualquer coisa e essa coisa qualquer ganhava vida

fui pra área de fumantes o reduto das melhores pessoas das festas e ali puxei minha ponta plim de novo a grade da janela se mexeu me sentei e curti o que acontecia

de volta para dentro da casa me deparei com a figura de uma coruja pintada na parede uma bela coruja e eu tinha certeza que ela faria algum movimento olhei fixamente por um bom tempo e a coruja permanecia imóvel quando eu finalmente pensei em sair a desgraçada piscou um olho

as músicas eram atordoantes as pessoas se escoravam pelos cantos e permanecer nessa festa era um exercício de sobrevivência intercalando entre as pistas e me desvencilhando de toques de gente amalucada usando óculos escuros precisei novamente usar o banheiro agora fui naquele que ficava debaixo da escadaria e entrando dei de cara com o chão estava inundado e sujo caminhei devagar e mijei

as cenas pareciam repetir e repetir de repente as pessoas cada vez mais loucas era de manhã e ainda estávamos ali

vou embora disse para minha amiga

me espera respondeu

foram alguns minutos até que ela desse tchau para uma porção de gente e pegasse seu casaco na chapelaria – onde duvido que um único chapéu estivesse guardado

caminhamos os cerca de 30 metros até a entrada do meu prédio e subimos fumamos mais e ficamos olhando pela janela o dia tomar forma

conversamos sobre a vida e humildemente fizemos poesias que no momento pareciam primorosas

ela resolveu que precisava ir pra casa e desci para acompanhá-la até o táxi que fica logo atravessando a rua na outra esquina mal sabia eu que estava incapaz de agir socialmente e sem a noção de tempo e espaço quase fui atropelado por um ônibus que parecia longe assim que ela entrou no táxi eu corri de volta pra casa me tropeçando

meu quarto era o único lugar habitável do mundo não sei o quanto me debati antes de apagar formulando uma infinidade de nãos e porques de nunca mais entrar na maldita casa vermelha

bob dylan revela as grandes verdades por tras do nobel

ele ganhou os maiores premios de todas as esferas ficou famoso la nos anos 60 e esta ate hoje em atividade cantando suas músicas essa semana mais um momento marcante na sua vida talvez o maior deles com o nobel de literatura vem pra ca bob dylan

magno
ola bob

bob
oi magno

magno
how does it feel

bob
bom demais

magno
é verdade que voce não da entrevista pra nenhum meio de comunicação

bob
não costumo fala com a imprensa

magno
brigado por me recebe

bob
você é um amigo é diferente

magno
brigado

bob
eu que agradeço

magno
qual a sensação de ganha o nobel

bob
to muito feliz o nobel é uma copa do mundo to muito feliz mesmo de dá esse premio pro meu povo

magno
é como faze um gol na final

bob
com o estádio lotado

magno
é quem nem aquela musica do skank

bob
muito bom skank

magno
voce começou a compor ha 50 anos atras e está ate hoje em atividade qual a fórmula mágica

bob
não existe fórmula eu faço o que faço por necessidade mostra minha arte meu modo de pensar e ganha muito dinheiro

magno
você traiu o movimento folk traiu as pessoas que acreditavam nas canções de protesto e agora traiu os romancistas como isso mexe contigo

bob
nunca traí nada eu só vivo a minha vida e as coisas acontecem de forma natural

magno
é tipo aquela música deixa a vida me levar

bob
vida leva eu

magno
você é conhecido por ser muito egocentrico e arrogante o que tem a dizer sobre isso

bob
acho que falam muito de mim se eu não fosse importante não estariam falando prefiro não falar nada

magno
qual o maior orgulho da sua vida

bob
são tantos mas acho que o principal é tudo que eu fiz

magno
em que lugar do mundo voce jogaria uma bomba atomica

bob
eu não faria isso

magno
mas pensa assim se você não jogar a bomba atomica vão jogar várias as redor de todos os lugares e você tem a oportunidade de só uma bomba explodir

bob
não quero joga bomba atômica

magno
e um rojão

bob
rojão eu botaria dentro de um tijolo pra vê ele explodindo

magno
milhões de pessoas sem um lugar pra dormi e você explodiria um tijolo

bob
desculpa

magno
tudo bem ninguém é perfeito

bob
olha eu não penso assim

magno
em quem você vai vota

bob
olha acho a hillary meio escrota mas o trump é totalmente escroto

magno
não po no crivella ou no freixo

bob
eu sou americano

magno
não torce pro nense então

bob
não nenhum americano conhece isso

magno
americano o caralho você é estados unidense e não viu a copa dysney pelo jeito

bob
não vi

magno
fala serio voce ja fumo muita maconha e toco pra bilhoes de pessoas ja ganho todos premios da humanidade e a humanidade tá indo nesse caminho parece que uma terceira guerra mundial está eclodindo as pessoas morrem na siria passa um tornado no haiti e ninguém nem aí você acha que todo seu trabalho foi em vão

bob
eu diria que sou um homem em um deserto

magno
bob dylan quem é o principal culpado pelo aquecimento global

bob
o ser humano

magno
cite nome

bob
são varios é o descaso com a humanidade a busca pelo capital pelo lucro quando na verdade isso não tem valor algum

magno
não disse o nome de ninguém

bob
os dono das fábrica os presidente que toda hora assinam os tratado e não fazem nada diferente é triste

magno
voce acha justo o povo brasileiro pagar tantos impostos

bob
com certeza não pobre brasil

magno
você ganho muito dinheiro vai doa tudo pra caridade

bob
to pensando ainda o que vou fazer

magno
você pensa muito

bob
muito

magno
quando escreve uma música você pensa ou sai fazendo

bob
eu gosto de pega o violão e saí tocando mas tem que fecha a música certinho também

magno
você lançou milhares de cds você acha que alguém já ouviu todos

bob
tem gente que já ouviu tudo sim

magno
até os gospel

bob
acho que sim

magno
e você leu os livros que você escreveu

bob
não gosto muito de lê as coisas que escrevo depois que já estão publicadas

magno
e suas músicas você também não ouve

bob
normalmente não

magno
então nem você escutou todos seus cds

bob
olha cara para com isso

magno
você começou a escrever uma autobiografia mas parou no volume um vai da tempo de escrevo o resto

bob
vai sim pode fica tranquilo que ta tudo na minha cabeça

magno
voce sente ciumes do mick jagger

bob
nao pô

magno
qual sua opinião sobre a dialética antropofórmica laureada pelos grandes pensadores dos substerraneos sufocados pela opressão pos-modernista

bob
a hipertrofia dos tempos atuais amplifica a dicotomia entre a estagnação e a insubordinação porem isso não significa que o conformismo tambem não seja uma forma de ver o mundo

magno
então estaremos todos na berlinda entre o saber sem saber e a ignorância racionalizada pela estética da aliteração que permeia nossa onipresença

bob
particularmente minha visão é menos trágica e disforme prefiro dizer que o prosaico é uma tergiversão do nosso expoente escondido sob as próprias sombras

magno
voce tiraria o chapeu para acelino popo de freitas o popo

bob
sim

magno
alcança aqui o chapeu que entrego pra ele depois

bob
não vou dar o chapeu só tira o chapeu e bota de volta na cabeça

magno
muita gente no brasil esperava que esse premio fosse dado para um escritor nosso que temos muito orgulho e faz parte da nossa academia brasileira de letras o josé sarney voce já leu algum livro dele

bob
sim

magno
qual

bob
todos sou um grande fa e me sinto lisongeado de nesse momento abrir mão do meu premio e dedica-lo e dar de presente ao ze

magno
a gente tem uma surpresa vem pra ca ze

sarney
oi

magno
que que foi ta tudo bem

dylan
nossa to muito emocionado

magno
canta uma musica pra ele

dylan
qual

sarney
pode se aquela famozona

dylan
hey mister tambourine man

sarney
aquela outra

dylan
how does it feel to be a complety

sarney
canta o refrao

dylan
like a rolling stone

sarney
canta aquela outra mais famosa

dylan
the answer my friend is blowin the wind

sarney
canta aquela outra mais famosa

dylan
knock knock knock on heavens door

sarney
a mais conhecida

dylan
qual meu

sarney
i cant get no satisfaction

dylan
kkkkkkk

sarney
sério canta ela po

dylan
não é minha

sarney
tudo bem agora o nobel também não é mais teu

dylan
para

sarney
fui

magno
volta aqui sarney

HOW I MET YOUR LUXA

crianças hoje eu vo conta pra voces como eu conheci o luxa

0-gente-to-com-fome
gente to com fome
1-vamo-come
vamo come
2-luxa-sao-10-da-manha%cc%83
luxa sao 10 da manhã
3-nos-comemo-agora-e-na%cc%83o-tem-fila
nos comemo agora e não tem fila
4-da-pra-chega-e-escolhe-a-mesa
dá pra chega e escolhe a mesa
5-luxa
luxa
6-eu-quero-ir-naquela-churrascaria
eu quero ir naquela churrascaria
7-para-luxa-para-luxa
para luxa para luxa
8-ninguem-faz-uma-picanha-daquelas-nessa-cidade-so-eu-sei-fazer-melhor
ninguém faz uma picanha daquelas nessa cidade só eu sei fazer melhor
9-luxa-nunca-te-vi-na-churrasqueira
luxa nunca te vi na churrasqueira
10-eu-fac%cc%a7o-churraso-e-fac%cc%a7o-muito-bem
eu faço churrasco e faço muito bem
11-enta%cc%83o-qual-e-a-sua-especialidade-de-corte
então qual é a sua especialidade de corte
12-1-tu-tem-que-pegar-assim-com-uma-faca-bem-afiada-e-tirar-a-carne-sem-perder-o-suco
tu tem que pegar assim com uma faca bem afiada e tirar a carne sem perder o suco
12-2-quem-na%cc%83o-sabe-corta-estraga
quem não sabe corta estraga você tá me entendendo?
13-luxa-e-serio-para
luxa é sério para
14-os-melhores-cortes-fui-que-inventei
os melhores cortes fui eu que inventei
15-gente-na%cc%83o-sei-o-que-fazer-com-ele
gente eu não sei o que fazer com ele
16-e-serio-gente-to-morrendo-de-fome
é sério gente to morrendo de fome
17-e-nos-vamo-na-churrascaria
e nós vamo na churrascaria
18-vamo-faze-assim-enta%cc%83o-vamo-pedi-um-japones-que
vamo faze assim então vamo pedi um chines
19-japones
chines
20-a-gente-pede-o-japones-por-telefone-e-chega-daqui-uma-hora-e-pouco
a gente pede o chines por telefone e chega daqui uma hora e pouco
21-japones
chines
22-gente
gente
23-na-boa
na boa
24-pega-o-telefone-enta%cc%83o
pega o telefone então
25-e-vamo-pedi-pizza
e vamo pedi pizza
26-pizza-luxa
pizza luxa
27-metade-tomate-seco-com-rucola
metade tomate seco com rucola
28-luxa
luxa
29-metade-sardinha
metade sardinha
31-eu-na%cc%83o-vou-comer-pizza-de-sardinha
eu não vou comer pizza de sardinha
32-voce%cc%82-na%cc%83o-entende-nada-de-pizza
você não entende nada de pizza
33-alguem-da-um-jeito-no-luxa
alguém dá um jeito no luxa
34-na%cc%83o-me-chama-de-luxa
não me chama de luxa
35-sena%cc%83o-o-que
senão o que
36-sena%cc%83o-eu-venho-e-te
senão eu te pego e
37-nunca-te-vi-fazendo-churrasco-nunca-te-vi-fazendo-pizza-e-so-te-vi-apanhando
eu nunca te vi fazendo churrasco eu nunca te vi fazendo pizza e eu só te vi apanhando
38-eu-ja-te-convidei-alguma-vez-pra-come-pizza-na-minha-casa
eu já te chamei alguma vez pra come pizza na minha casa
39-na%cc%83o-convidou-mas
não convidou mas
40-tu-ja-comeu-a-minha-pizza
você já comeu a minha pizza
41-na%cc%83o-comi-mas-aposto-que-e-podre
nunca comi mas aposto que é podre
42-na%cc%83o-fala-em-aposta
não fala em aposta
43-tu-na%cc%83o-entende-nada-de-aposta
você não entende nada de aposta
44-tu-nunca-viu-a-bolinha-girando-na-roleta
você nunca viu a bolinha girando na roleta
45-luxa-eu-ja-apostei-alto
luxa você me respeita
46-tu-nunca-apostou-tua-casa
você nunca apostou tua casa
47-tu-nunca-apostou-as-joias-da-tua-mulher
nunca apostou as joias da tua mulher
48-tu-nunca-apostou-os-cavalos
nunca apostou os cavalos
49-tu-nunca-apostou-contra-o-teu-time
você nunca apostou contra o teu time
50-tu-nunca-apostou-que-ia-ter-escanteio-aos-27-do-segundo-tempo
e nunca apostou que ia ter um escanteio aos 27 do segundo tempo
51-luxa-acho-que-isso-na%cc%83o-e-legal
luxa acho que isso tudo o que tu falando isso não é legal
52-tu-na%cc%83o-entende-nada-do-que-e-legal
tu não entende nada do que é legal
53-eu-que-inventei-esse-negocio-de-aposta
eu que inventei esse negócio de aposta
54-e-agora-vamo-pra-churrascaria
e agora vamo pra churrascaria
30-olha-luxa
taí gostei desse cara

PRIMAVERA BRASILEIRA – PARTE 2016

prenderam o ultimo honesto
não que ele nunca tivesse roubado

grampearam um santo
fizeram uma força tarefa pra provar que a + b é igual a c e conseguiram só porque ele disse isso

a delação premiada acumulou
agora ou explode o chefe ou nem pode abrir a boca o único porém é ser o chefe certo

acharam provas contra o demônio
mas como é o demônio melhor não mexer com ele

quem mexeu no meu corrupto
ele tava aqui do meu lado ontem mesmo

só o que falta ele dizer que não sabia nada
ou que sabia que eu sabia

antes da justiça ser justiça
a justiça já sabe o que a justiça vai fazer

nosso país tá virado numa vídeo-cassetada
e a voz da consciência sai da boca do faustão

vestibular

costumam dizer que somos jovens demais pra toma uma decisao tao importante quanto nosso futuro profissional afinal de fato isso acontece naquela epoca de total infantilidade que ronda os bachareis em ensino medio e ha o agravante que o futuro profissional equivale ao futuro em si nesses tempos em que vida pessoal é mero pano de fundo das nossas tramas

por falta de parametro e criterio na mente juvenil os fatores chave pra definir o curso sao um tanto quanto inconsistentes

 

gosta de bicho – veterinaria
a tia acha engraçado – publicidade
bom em matematica – engenheiro
sabe mentir – direito

 

tudo isso é verdadero e penoso as vezes sao anos jogados fora em experiencias frustradas e uma forçacao de barra pra ve se nao é aquilo mesmo em suma um drama

 

mas e o que dizer de uma criança muito mais nova que esses adolescentes que tem em suas maos uma escolha muito mais representativa

 

começa cedo a coaçao

 

o girino humano as vezes antes mesmo de sabe fala ja veste camisa do time enfeitam o quarto compram bone uma tentativa desesperada de faze o filho segui os passos do pai

 

e quando esse fedelho que mal saiu das fralda trai o pai e que fique claro nao existe outra expressao olha o tamanho da pressao psicologica

 

escolhe o curso é fixinha quero ve escolhe o time do coraçao e ser obrigado a carrega esse fardo pelo resto da vida

 

odiando o tecnico sentindo repulsa pelo presidente nojo dos proprios torcedores do seu time

 

isso nos momentos mais felizes por que por vezes chega a se convence que talvez fosse mais negocio larga essa merda simplesmente toca a vida e nao dexa uma porra de futebol influencia seu dia olha pra esses filho da puta

 

nao te contaram isso la atras e agora sim voce ta fodido